12 de set de 2014

Just Give me a reason

Certamente não sei o porque de estar escrevendo isto, acho que é como uma forma de desabafo. Não sei ao certo quem eu sou, ou quem eu era, ou até mesmo quem escolherei ser. Mas tenho uma certeza: Existe um sentimento batendo em meio de minhas torturas, em meio de meu coração dolorido. Um sentimento forte o suficiente para me abalar, ou até mesmo me alegrar. E em meio dele vem a dúvida. Este é o nome que damos para paixão? Não saber ao certo se é a pessoa em questão, se é a verdade aquela que você escolhe seguir? A paixão é sofrimento, queremos ser amados mutuamente, com a mesma intensidade, a algo que se diz ser impossível. Por isso, em meio aos desamparos, não sei se o que escrevo é a verdade, pois não sei ao certo me expressar. Quando te vejo, meu coração para por um milésimo de tempo, minha cabeça gira e meu estômato dá voltas. Não raciocínio, te vejo quando fecho meus olhos e quero te ver quando acordar. Hoje estou feliz porque sonhei com você, e a amanhã posso chorar por não poder te ver. Até então, o recado está dado, não sei ao certo o que sinto, mas sei que exprimo algo em meu peito, algo que não posso colocar em palavras, por mais que queira me expressar. Ou até mesmo porque não tenho coragem a me revelar.


                   

Nenhum comentário

Postar um comentário