25 de dez de 2015

Wait For Me To Come Home


Tudo começou em uma tarde nublada em 1930, as nuvens densas e macias cobriam o céu negro, um paraíso para os amantes de dias chuvosos, um dia normal para aqueles que gostam de apreciar uma boa leitura ao lado da lareira, tomando alguma bebida razoavelmente quente, enquanto ficam enrolados em um cobertor medíocre que guardaram durante todo o ano, esperando que o inverno chegasse para poder se aconchegar naquele tecido novamente. A Inglaterra era famosa pelos seus dias nublados, mesmo que você não tivesse muitas opções para sair com esse tipo de clima, não sei porque, pois sempre preferi os dias ensolarados, afinal, foi assim que conheci ela...


Havia feito um mês que estava viúvo, mas ainda não conseguia tirá-la da minha cabeça..Aqueles cabelos ruivos sempre me deixarão saudade, um aperto no coração, para ser mais preciso. De todas as maneiras, ela foi a única mulher que amei verdadeiramente e incontrolavelmente, em todos os meus setenta e dois anos de vida. Minha casa tinha uma pequena plantação de rosas, mas todas as vezes que eu via aquelas flores, me lembrava de seu rosto, ou mais precisamente, de seus delicados fios de cabelo. Não conseguia vê-las, pois a saudade invadia meu coração, mas também não podia arrancá-las, pois me sentiria como se estivesse matando a ela, ou pior, uma parte de mim mesmo...Por isso resolvi mudar-me para longe, com o objetivo de livrar-me deste espaço solitário da minha alma.

I miss you, miss you

I miss you, miss you

Where are you and I'm so sorry

I can't sleep I cannot dream tonight

I need somebody and always

This sick strange darkness
Comes creeping on so haunting every time
And as I stared I counted
The webs from all the spiders


Tinha ligado para meu corretor, ele havia dito que a mudança estava finalizada e que poderia mudar-me imediatamente. Fui desapegando-me da casa aos poucos, e finalmente, depois de algumas semanas, consegui deixar aquele lugar, cheios de lembranças, boas e dolorosas. De todos os cômodos, o nosso quarto foi o mais difícil de dizer adeus, pois lá estavam pendurados três quadros que ela havia escolhido, pois era uma amante das artes, e via beleza até mesmo naqueles mosaicos, que para mim, não faziam sentido. Quero dizer, até hoje não fazem, porém consigo apreciá-los. E claro, como todo o quarto de casal, haviam algumas fotos espalhadas pela cômoda. Essas, eu fazia questão de levá-las na minha carteira, rumo a casa nova, para que sempre estivessem comigo.



We keep this love in a photograph

We made these memories for ourselves

Where our eyes are never closing

Our hearts were never broken
And time's forever frozen still
So you can keep me inside the pocket
Of your ripped jeans
Holding me close until our eyes meet
You won't ever be alone
Wait for me to come home

A casa era grande e sombria, a névoa cobria sua estrutura sólida e rochosa, alguns poderiam achar que era um típico cenário de algum conto terrorífico, mas eu nunca acreditei nesse tipo de coisa, se era uma casa sombria, eu faria ela se tornar alegre. Faria isso com minhas lembranças felizes, com minhas risadas descontroladas em algum programa bobo no rádio, com qualquer coisa para ser mais preciso.
Algumas semanas passaram, e com o tempo aprendi a acomodar-me neste local, a única coisa que incomodava-me era aquele estranho porão, era um lugar estranho, e eu acredito que até mesmo Edgar Allan Poe poderia escrever algum texto sobre aquele lugar. Haviam caixas espalhadas espalhadas por todo o lugar, cobertas por poeiras e diversas teias. Um certo dia eu resolvi limpá-lo. Tirei toda a poeira, fiz uma faxina completa. Empilhei todas as caixas em uma pequena estante acomodada no canto esquerdo, mas acabei deparando-me com deveras bonecas, todas feitas de porcelana finas, talvez o dono esqueceu-as e pôs aqui.


D-O-L-L-H-O-U-S-E, I see things that nobody else sees
            D-O-L-L-H-O-U-S-E, I see things that nobody else sees

Não sabia onde por estes entulhos, então montei um pequeno bazar de garagem, e ele felizmente fez o devido sucesso. Minha única surpresa, foi que depois de alguns meses, acabei interessando-me por estes pertence. Li alguns tipos de livros sobre a fabricação de bonecas e comecei a produzi-las eu mesmo. Aquilo acabou, de fato, me distraindo, e consequentemente, levando parte de minha dor. Senti como se alguém tivesse tirado uma faca do meu coração, que ficou ali por muito tempo. Me senti como se um enorme peso tivesse sido tirado de mim, levando minha consciência pesada, enxugando minhas lágrimas.
Depois de exatamente um ano, o bazar transformou-se em uma loja, um ponto de referência para todo o bairro. As pessoas passavam, me cumprimentavam, compravam, e de vez em quando vinham me visitar nos finais de semana, tomar uma xícara de chá ou café, e conversar sobre alguma notícia que saiu no jornal. Eu estava feliz. Até que um dia, percebi uma criança comprando uma de minhas obras e desaparecendo no mesmo instante. Com medo, desisti do meu pequeno negócio e fui até o porão, vasculhei em todos os lugares, todos os cantos e paredes, até encontrar atrás de um antigo quadro empoeirado, uma espécie de portal mágico.


This is the end
    Hold your breath and count to ten

      Feel the earth move and then

   Hear my heart burst again

For this is the end
I've drowned and dreamt this moment
So overdue I owe them
Swept away, I'm stolen
Let the Skyfall
When it crumbles
We will stand, tall
Face it all together

Parei de produzir as bonecas, mas com o tempo a vizinhança começou a me questionar sobre o desaparecimento de meus clientes, e eu me senti muito pressionado, a tal ponto que, para tentar escapar, entrei no portal, e passei a querer desvendar este mistério ou descobrir uma saída, mas o que eu encontrei foi desespero, pois ao invés de ver algo que pudesse ajudar no caso, me tornei uma estrutura sólida, que pode ser reconhecida vulgarmente como: minha casa. A mesma casa que havia comprado um ano atrás.
Os anos passaram-se, e as vítimas apenas aumentavam. Até que um dia, um novo morador veio, e fez a mesma coisa que eu: um bazar. Todos os dias uma criança inocente comprava minhas bonecas e desaparecia misteriosamente na névoa, ninguém entendia o porque, o porque dos desaparecimentos delas, ou do meu. Um dia, uma pequena garota chamada Alma entrou na casa do novo morador, ou na minha, ou mais precisamente, na casa que eu havia me tornado. Me senti desamparado, meu coração aparentemente de pedra ficou apertado, tentei deixá-la escapar, mas não consegui, outra alma foi sugada.
Os séculos passaram-se, e minha aparência perdeu o encanto, que agora, pensando bem, acho que nunca teve. Minhas obras continuaram passando de geração a geração...Continuaram atraindo crianças, mas como a tecnologia evoluía e o desejo de posse de bonecas diminuía, as crianças que antes viam as porcelanas com um olhar maravilhado, pedindo para que os pais comprassem o item, agora cruzavam meu caminho e apenas tiravam fotos de minhas mercadorias. Sendo assim, parte de meu pesadelo havia acabado, porém, continuava condenado a ser uma casa, pelo menos até que alguém entrasse no portal, que nem eu fiz.



Hey! Feels like I'm asleep, but I’m awake

In this dream I never see your face

I'm just a step behind

Hey! Can't remember why you went away
Pinch me cause I know it's a mistake
I wanna see your eyes
I woke up in another life
When nothing's really dangerous
And everything is black and white
And no one even knows
I woke up in a broken dream
With no one lying next to me
It's not how it's supposed to be
So why'd you have to go?
I'm still trying, to wake up from this
From this nightmare, from this nightmare
Where everything is, in it's right place
But you're not there, no you're not there


Nenhum comentário

Postar um comentário